Páginas

3/22/2014

Realidade

A nossa realidade é subjetiva. É só nossa. É um mundo privativo no qual vivemos. É a ilusão que criámos, mas não é o mundo nem é a realidade.

Se sairmos do nosso centro e observarmos o mundo como o outro o vê, percebemos que cada pessoa vive num mundo diferente. São os filtros emocionais, os pontos de vista,  as crenças de cada um. Mas nenhum desses mundos é o mundo: são projeções holográficas que existem e são reais somente para o sujeito que as cria e que as vive.

Sabendo isso, o que é o mundo? O que é a realidade?

3/19/2014

Sol









Aqueces-me a pele mas o teu calor penetra mais fundo, até à última filigrana do meu ser. Aí vibra e ressoa a tua luz e o teu amor quente.
Sinto-me preenchida de ti, plena. Nada me falta e tudo transborda.
Quero retribuir e só tenho o sorriso e o meu fluir no teu calor.
Astro-rei, és o supremo servidor. Tão cheio de ti, derramas-te ao serviço da Vida.
Quero ser como tu: cheia de Mim.
Fecho os olhos. A tua luz anima as minhas células: somos Um.

3/16/2014

Altruísmo


O altruísmo é uma violência e, como qualquer violência, as suas raízes não perduram. O egoísmo é tudo o que existe.

Somos egos, identidades separadas, que naturalmente vão defender a sua sobrevivência em primeiro lugar. E isso é saudável. E essa é a única maneira natural de ser.

Mas em algum momento, o ego vai diluir-se num Eu, vai crescer, alargar-se, esticar-se até incluir toda a Vida,  todo o Universo. Progressivamente, o que acontece aos "outros" e o que acontece a "mim" tem o mesmo valor.

Será isso altruísmo?
Não, é egoísmo, mas de um Eu que cresceu.

3/14/2014

Dia

Dia, dia, claro  dia,
Sem ti, de nós,
O que seria?

Dor











Quando há uma dor, fugir dela gera sofrimento.
Fugir, desejar que ela vá embora, não a afasta.
Ela fica, do lado de fora, inamovível, presente, doendo.
E eu, do lado de dentro, fugindo, sofrendo.
Quando há uma dor, tenho de embalá-la.
Ir ter com ela, cumprimentá-la:
- Como te chamas? Onde dóis? Porque dóis?
E ficar com ela. Fazer-lhe companhia.
Ficar presente.
Oferecer a minha energia
para sanar a angústia manifestada.
Só então, a dor passa.