Páginas

1/19/2014

Nem 8, nem 80


Qual é a espessura de uma folha dobrada 50 vezes? Esta pergunta inocente faz-nos descobrir uma das falhas do nosso cérebro: não compreendemos o crescimento exponencial. O seu impacto é contra-intuitivo.

Por que é que isso é relevante? Porque muitas variáveis na nossa vida têm crescimentos exponenciais, incluindo aspetos das nossas finanças. Os juros de um empréstimo, por exemplo, crescem de forma exponencial.

Para nos ajudar a traduzir os impactos do crescimento exponencial numa linguagem mais familiar para o nosso cérebro, podemos aplicar uma regra empírica: a regra dos 70. Se dividirmos no número 70 pela taxa de crescimento de uma variável vamos obter o número de anos que essa variável demora a duplicar de valor.



Nota: O vídeo acima foi um discurso que eu fiz sobre este tema numa sessão do Lisboa Oriente Toastmasters. Para quem quiser desenvolver as competências de comunicação e liderança, é um programa que recomendo vivamente.



Presença








Olho as árvores e, por momentos, sinto-me como elas. Livre de mim.
Existo apenas. Fluo sem sair do lugar.
Existir que não precisa de se afirmar, de se comparar, de se defender.
Existir livre.
Presença.

1/10/2014

Emoção

Emoção
Energia em estado líquido.
Flui como um rio.
Poder. Força.
Abre caminhos. Rasga obstáculos.
Alimenta quem toca.
Gera vida quando corre livremente.
Mata quando é aprisionada:
Podre. Estagnação. Morte.
Águas paradas não toleram a vida.
Águas cristalinas refrescam a alma e lavam a mente.

Sorriso

"Sorriso, diz-me aqui o dicionário, é o acto de sorrir. E sorrir é rir sem fazer ruído e executando contracção muscular da boca e dos olhos.

O sorriso, meus amigos, é muito mais do que estas pobres definições, e eu pasmo ao imaginar o autor do dicionário no acto de escrever o seu verbete, assim a frio, como se nunca tivesse sorrido na vida. Por aqui se vê até que ponto o que as pessoas fazem pode diferir do que dizem. Caio em completo devaneio e ponho-me a sonhar um dicionário que desse precisamente, exactamente, o sentido das palavras e transformasse em fio-de-prumo a rede em que, na prática de todos os dias, elas nos envolvem.

Não há dois sorrisos iguais. Temos o sorriso de troça, o sorriso superior e o seu contrário humilde, o de ternura, o de cepticismo, o amargo e o irónico, o sorriso de esperança, o de condescendência, o deslumbrado, o de embaraço, e (por que não?) o de quem morre. E há muitos mais. Mas nenhum deles é o Sorriso.

O Sorriso (este, com maiúsculas) vem sempre de longe. É a manifestação de uma sabedoria profunda, não tem nada que ver com as contracções musculares e não cabe numa definição de dicionário. Principia por um leve mover de rosto, às vezes hesitante, por um frémito interior que nasce nas mais secretas camadas do ser. Se move músculos é porque não tem outra maneira de exprimir-se. Mas não terá? Não conhecemos nós sorrisos que são rápidos clarões, como esse brilho súbito e inexplicável que soltam os peixes nas águas fundas? Quando a luz do sol passa sobre os campos ao sabor do vento e da nuvem, que foi que na terra se moveu? E contudo era um sorriso."

José Saramago