Páginas

4/28/2013

Não sei quem sou


Não sei quem sou, mas quero sê-lo.
O mundo quer-me como ele,
Mas que seria do mundo
Se o sol fosse igual ao frio escuro
Que o rodeia?
Há uma verdade única que nos habita.
Procuro a minha, quero vivê-la.

4/18/2013

Sexo: reconquistar a inocência


Apesar do sexo ser um assunto quente e apetecido, a forma como lidamos com ele é curiosa. Quando se trata de sexo, a religião é contra-natura e a sociedade neurótica.

Para a religião o sexo é algo perigoso a ser controlado, sob pena de incorrer em pecado mortal e sofrer a terrível vingança divina. No Vaticano dá-se o exemplo. Todos renunciaram aos apelos carnais, numa cidade feita de homens que, se fosse fechada ao mundo, se tornaria deserta em poucas décadas. O exemplo perfeito de contra-natura.

4/14/2013

Palete de cores


Às vezes acontece o mundo ser cinzento, obscuro, contrário aos meus desejos. Penso e repenso num novelo de pensamentos, zango-me, irrito-me, ora me sinto vítima ora juro vingança... debato-me sem encontrar saída. Tudo é escuro e contrário. Até que me lembro que o mundo é da cor que o pintamos, a cor das nossas emoções. Então, pego no pincel e volto a colori-lo. Emoção a emoção, reprogramando-me, o mundo ganha novas cores!

4/09/2013

Consciência


Olhar para si e não sentir-se o próprio.

Olhar para si e sentir-se o pai que olha para o filho traquina com doce e sábia severidade.